4 de jul de 2011

PRIMEIRA ESCUTA NA MANGUEIRA TEVE PARTICIPAÇÃO DAS PRINCIPAIS LIDERANÇAS

O secretário de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos, Rodrigo Neves, esteve na manhã desta sexta-feira, 01, na quadra do Complexo da Mangueira, e foi recebido por várias lideranças comunitárias e moradores.

A reunião, uma escuta já feita em outras comunidades pacificadas, ocorreu em clima de muita tranqüilidade e transparência, o que, segundo o secretário, é resultado de um aprendizado ao longo deste processo. Ele afirmou que fazer esta escuta antes mesmo da instalação da UPP demonstra que a metodologia está sendo aprimorada, assim como todos os serviços que podem ser oferecidos a comunidades pacificadas.
 
Foram tema de discussão o processo de pacificação e seus desafios, a irreversibilidade desta iniciativa e as parcerias e conquistas que vem sendo firmadas ao longo das tomadas de territórios.
 
“O que é feito aqui é devolver este território a quem ele realmente pertence: a comunidade. Os cidadãos da Mangueira, como os de todas as comunidades pacificadas, terão direito a todos os serviços que antes não chegavam até aqui ou chegavam com uma qualidade insatisfatória”, afirmou Rodrigo.
 
O secretário ouviu ainda das lideranças o quanto a comunidade deseja ver o que hoje já acontece nos demais territórios pacificados, além de ver presentes os representantes dos diversos projetos existentes ali: esporte, religião, dança, folclore fazem parte da história da mangueira e poderão levar este nome muito mais além com a valorização destas manifestações.
 
Gilmara Xavier de Oliveira, 37 anos, mãe de seis filhos, diz que ela e muita gente está ansiosa para ver mais coisas acontecerem no morro, mas já destaca que matriculou as filhas Imara, 10, e Caroline, 14, no judô. “Adolescente não pode ficar com tempo livre. Elas estudam, mas agora também fazem um esporte: bom pra elas e eu fico mais tranqüila”, declara a mãe.
 
“Outras reuniões serão feitas, mas esta já começa a desenhar um mapa das necessidades específicas desta comunidade, para que os programas não venham pasteurizados. Este é um ponto de partida, mas queremos atender às necessidades especificas de cada comunidade e sabemos que nenhuma é igual a outra. Para isso, escutar a população daqui é fundamental”, declarou o secretário Rodrigo Neves.
 
O secretário ainda destacou a importância da parceria Estado – Município, que vem se estreitando a cada dia, pois ambos estão preocupados em sustentar as medidas que estão sendo tomadas com a pacificação.
As demandas apresentadas pela população foram transformadas em ata e serão avaliadas em conjunto e devolvidas em forma de ações que contem com a participação das lideranças e moradores.
 
Ao lado do secretário sentaram-se Simões do Nascimento, o Mano, presidente da Associação de Moradores do Complexo, Dulcinéa Francisco Santos, a Dulce, representante da Casa de Cultura e Referencia Afro Urbana, o deputado Chiquinho da Mangueira, José Marcelo Zacchi, diretor de Projetos Especiais do Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos e o Subsecretário de Defesa e Promoção dos Direitos Humanos, Antonio Carlos Silva Biscaia.
 
Estiveram presentes ainda a Tenente Marlisa, chefe da Comunicação Social do BOPE, Alex, do Instituto Sociocultural Batuque Favela, Kely Louzada, da Associação Meninas Mulheres do Morro da Candelária, André Luis Amorelli de Freitas, coordenador do Projeto Umbra Mangueira (judô) e Hevalcir Ferreira da Silva, da Folia de Reis Sagrada Família da Mangueira e cerca de 100 moradores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário