2 de abr de 2012

Transexuais reivindicam atendimento mais qualificado‏

Comissão de Saúde da População de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Travestis do CNS avalia avanços e desafios em sua primeira reunião de 2012. Uma das
expectativas é que mais estabelecimentos de saúde façam cirurgias de
mudança de sexo.

        Nesta terça e quarta (27 e 28), a primeira reunião de 2012 da Comissão
Intersetorial de Saúde da População de Lésbicas, Gays, Bissexuais e
Travestis (CISPLGBT) do Conselho Nacional de Saúde (CNS) contou com a
participação de homens e mulheres trans que revelaram dificuldades de
acesso à saúde e o uso indiscriminado de receitas falsificadas para
compra de produtos com hormônios femininos e masculinos. “Esta reunião
vai subsidiar encaminhamentos a serem apreciados durante reuniões
ordinárias do Pleno do CNS”, adianta a coordenadora da comissão e
conselheira nacional Maria de Lurdes Rodrigues.

        Atualmente, o País conta com apenas quatro hospitais, nos estados do RJ, SP, RS e
GO, que são credenciados e especializados em cirurgia de mudança de
sexo no Sistema Único de Saúde (SUS). Esse quadro deve mudar se
depender do processo de revisão da Portaria da Secretaria de Atenção à
Saúde (SAS) nº 457 de 19 de agosto de 2008, já iniciado pelo Ministério da Saúde (MS), a partir da pactuação da Política Nacional de Saúde
Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais,
durante a 14ª Conferência Nacional de Saúde no final de 2011.

        Ampliar o número de estabelecimentos de saúde voltados para cirurgias de
mudança de sexo, além de qualificar profissionais para o atendimento de pessoas em situação de diversidade de gênero e sexual estão entre as
propostas do Ministério. O objetivo, a partir da revisão da norma, é
garantir acesso efetivo e qualidade no atendimento aos usuários
transexuais. O coordenador geral de média e alta complexidade do
Departamento de Atenção Especializada do MS, José Eduardo Fogolin,
ressaltou que o SUS oferece assistência integral para a mudança do sexo
masculino para o feminino. Ele avaliou que, no entanto, é preciso ir
além do ato cirúrgico. “A proposta não é criar políticas paralelas, mas revisar as ações existentes e ampliar o escopo de atendimentos”,
explicou.

        Para a pesquisadora da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ),
Daniela Murta Amaral, é necessário rever ainda a imagem de dentro do
SUS de que o transexualismo se trata de uma condição “anormal”. A
estudiosa apontou ainda a importância de se repensar o uso de conceitos que relacionam a dificuldade de identidade de gênero a um transtorno
mental. Segundo ela, o Ministério da Saúde e o Conselho Federal de
Medicina (CFM) seguem um padrão biomédico normativo internacional em
que o transexualismo é tido como doença e o ato cirúrgico é visto como
forma de se corrigir uma anormalidade. “Uma situação prática disso é a
de um transexual que deseja se submeter à cirurgia e não pode fazê-lo
sem a confirmação de diagnóstico psiquiátrico de que o paciente é
realmente transexual. O reconhecimento e identificação do próprio
indivíduo como transexual não são levados em consideração”, alertou.

Mudança de sexo

        Há 15 anos, o Brasil deu início ao processo de cirurgia de mudança de
sexo na rede publica de saúde. O coordenador geral de média e alta
complexidade do Departamento de Atenção Especializada do MS, José
Eduardo Fogolin, observa que o SUS oferece assistência integral para a
mudança de sexo masculino para o feminino. A cirurgia de mudança de
sexo feminino para masculino ainda é feita de forma experimental no
Brasil e em outros países. O procedimento ainda está condicionado à
pesquisa.

        O SUS disponibiliza a cirurgia de readequação sexual de forma integral e gratuita (mudança do sexo masculino para o feminino). Os serviços
oferecidos vão além da cirurgia e incluem avaliação psicológica,
terapia hormonal, avaliação genética e acompanhamento pós-operatório. É preciso ter mais de 21 anos e ter o diagnóstico de transexualismo.

Léo Mendes
Consultor em Direitos Humanos
(62) 9999-1818 -Vivo
(61) 8161-1113 - Tim
msn: liorcino@yahoo.com.br


Para ler meu blog clique aqui

Para me seguir no twitter clique aqui

Para entrar no meu ORKUT clique aqui

Para ver minhas fotos no FLICKR clique aqui

Para me adicionar no FACEBOOK clique aqui

Para me adicionar no seu messenger :  liorcino@yahoo.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário