8 de mar de 2012

(TRADUZIDO POR INDIANARA SIQUEIRA)-Trans en Guatemala: Violencia, acoso policial e impunidad‏

Trans na Guatemala: Violência assédio policial e impunidade
A comunidade trans Guatemala enfrenta-além do estigma e discriminação associados à sua identidade de gênero, assassinato, violência em todas as suas expressões, desaparecimentos forçados e execuções extrajudiciais mesmo.
Por: Carlos Romero PrietoKey: Guatemala , Trans , Transfobia , Violência de Gênero
Tamanho do texto: A + A - 
Cerca de dois anos atrás, desapareceu Katherine Michelle , uma trabalhadora do sexo transexual mulher que ainda não têm a menor pista sobre seu paradeiro, embora o caso tenha sido mobilizados pelo Escritório de Direitos Humanos realizou atividades de pesquisa nacional. Um par de meses, três meninas trans foram seqüestrados no bairro onde vivia, e veio depois de vários dias com sinais graves de tortura e mutilação. O caso não era mais cobertura do que informações sensacionalistas de costume alguns meios de comunicação e grupos sociais não poderiam mergulhar na pista por causa do perigo representado para trazer aos suspeitos, ligados a gangues e redes de extorsão.

Em Xela, a segunda maior cidade implementou recentemente um "plano de segurança", que inclui ataques e assédios de mulheres transexuais que foram agredidas fisicamente por forças de segurança e até mesmo espancado na prisão dos homens, onde eles cortam cabelo e despojado de suas roupas. Cerca de um ano, Cynthia , uma trabalhadora do sexo mulher trans-foi salva de ser queimada viva em sua comunidade apenas por ser trans. No entanto, poucas semanas depois que foi disparado no local de trabalho, e que até hoje as autoridades deram o menor prosseguir com o caso apesar das exigências das autoridades locais.

Recentemente Johanna Ramirez (secretário-executivo da Organização Trans Queens of the Night - OTRANS ) estava visitando Xela para acompanhar denúncias e ações coletivas de trans. Não foi detido pela polícia nacional e passou uma noite na cadeia, onde ele foi severamente agredido por outros detentos, que até mesmo cortar o cabelo, como se tornou costume. Esta situação é agravada por uma série de ameaças e perseguições sofridas por vários meses, mas aumentaram nos últimos dias. Ela denunciou publicamente a perseguição de que é objecto por temer por sua vida e integridade.

Apesar do ambiente hostil grupos de mulheres trans das que fazem parte do REDTRANS da Guatemala estão desenvolvendo ações para alcançar mudanças substantivas, como a recente consulta nacional sobre o trabalho sexual e direitos humanos, a avaliação nacional das necessidades de saúde. Mas eles ainda não têm ações políticas para garantir a sustentabilidade dos processos e, em particular, reforçar uma rede de apoio que garante a integridade dos ativistas e líderes.

Guatemala está atualmente passando por uma situação social e político em que a agenda nacional de direitos humanos tem sido relegado para segundo plano e as ações hediondos como o genocídio contra as comunidades indígenas durante o conflito armado interno foi negado, fornecendo uma amostra a partir da perspectiva do Estado sobre os direitos.

Apesar desta e de outras nuances que complicam contexto adverso, a rede social e legal que garante a integridade de mulheres ativistas e profissionais do sexo trans ainda é frágil. Hoje, mais do que nunca, torna-se necessária fiscalização e ações de qualquer e todos os atores podem influenciar e os responsáveis pelo sistema de justiça nacional. Enquanto escrevo esta nota confirmo que ativista reconhecida outro nacional, Bibi Vale , tem faltado dez dias, e, provavelmente, seu caso é uma estatística que alimenta a indiferença, a impunidade ea transfobia como enraizada na Guatemala.

Esperemos que este é o último ativista trans atacado e desaparecidos no país. Esperemos que as agências, o sistema nacional de justiça, movimentos sociais e outros atores na cena social e política ativamente assumir que não há nem justiça nem equidade continuará omitindo e ignorando uma das realidades mais negligenciadas e rebaixado do contexto nacional . Esperemos que a chamada Johanna Ramirez entra em vigor e chega aos ouvidos de quem deveria vir, e ter a proteção necessária. Johana e seus colegas esperam para continuar o seu activismo, liderança, e especialmente o direito à vida.
Todos os itens podem ser partilhados e publicado se eles são citados os dados da fonte.._,___
 
Para leer el artículo completo visite el vínculo:
>http://www.corresponsalesclave.org/2012/03/trans-en-guatemala-violencia-acoso-policial-impunidad.html
--

Nenhum comentário:

Postar um comentário