7 de mai de 2012

Rio Grande do Sul da carteira com o nome social‏

Os travestis e transexuais do Rio Grande do Sul poderão a partir do dia 17 escolher o nome pelo qual querem ser chamadas --e terão um documento para comprovar isso. A informação é de reportagem de Natália Cancian publicada na edição deste domingo da Folha (a íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL (empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).
A iniciativa é do governo do RS em parceria com ONGs da comunidade LGBT. O documento será uma "carteira de nome social" e terá o mesmo valor de um RG.
Para a travesti Marcelly Malta, 61, presidente da ONG Igualdade, o documento deve ajudar a diminuir as situações de constrangimento. "O maior problema é na saúde e na educação, em consultas, cadastros. É um sofrimento diário. É você chegar num lugar, verem sua aparência feminina e perguntarem: 'Mas se essa é você, de quem é esse documento aqui?'."

Fernanda Steffen/Folhapress
Simone foi a primeira travesti a receber o documento em Porto Alegre (RS)
Simone foi a primeira travesti a receber o documento em Porto Alegre (RS)


--
Cassandra Fontoura à Paris.....

Nenhum comentário:

Postar um comentário